Os padrões de Claudia Rogge

O trabalho da fotógrafa alemã Claudia Rogge é difícil de definir. Ao olhar para os projetos dela, questionamos se são fotografias, mosaicos ou pinturas renascentistas e barrocas. Fato é que o resultado, independente do processo, é a mais pura arte. Claudia faz arte incomum com o comum; está preocupada com o padrão, as repetições, as multidões. Porém, o processo de construção destas multidões é focado totalmente no indivíduo. Claudia fotografa pessoa por pessoa, ou par por par, para chegar ao resultado final.

O universo de Alison Scarpulla

Em clima de misticismo e improvisação, as fotografias da norte-americana Alison Scarpulla são incomuns nos mais diversos sentidos. O inusitado aparece desde a composição das fotos até seu processo de revelação, no qual usa substâncias inesperadas como vinho e ácido. Em entrevista concedida à BBC, Alison relata que suas imagens têm o intuito de “romper as barreiras da realidade” e não revela em detalhes o seu processo criativo.

As Texturas de 美撒郭

Das boas surpresas que as redes socias me trouxeram, posso dizer que 美撒郭 é uma das que mais me intriga. Por ser da China, por ter pouquíssimas informações sobre ele/ela na internet e pela dificuldade de contato, será um pouco difícil identificar quem é a figura por trás dessas fotos surpreendentes. Mas o que podemos notar é uma sensibilidade sem tamanho. Suas fotos têm enquadramento simples, luz incrível, cores suaves e texturas bem definidas que fazem todo o diferencial em seu trabalho.

Outra Superfície: fotografias de Ana Claudia Lubitz

Das boas surpresas que as redes socias me trouxeram, posso dizer que 美撒郭 é uma das que mais me intriga. Por ser da China, por ter pouquíssimas informações sobre ele/ela na internet e pela dificuldade de contato, será um pouco difícil identificar quem é a figura por trás dessas fotos surpreendentes. Mas o que podemos notar é uma sensibilidade sem tamanho. Suas fotos têm enquadramento simples, luz incrível, cores suaves e texturas bem definidas que fazem todo o diferencial em seu trabalho.

Preto no branco, branco no preto

A expressão que dá título ao post costuma ser usada para expressar uma situação de contraste, e se difundiu no âmbito da moda em virtude do clássico estilo difundido por Chanel. Mas ela também é uma perfeita síntese para a obra do fotógrafo espanhol José Maria Rodríguez Madoz, ou Chema Madoz, como é mais conhecido.